[não considerem isso um post…é um estado de espírito, vamos deixar a literatura de lado um pouco e lembrar que isso é um blog]

Todos os dias você acorda – pelo menos comigo é assim – abre a cortina do quarto, olha para o mundo lá fora e pensa que tem duas opções: ou ser feliz ou ser triste.
Hoje eu abri a cortina e decidi ter um dia feliz. Apesar do trabalho cansativo. Apesar dos meus atrasos eternos. Apesar do tempo que escapa. Apesar das notícias tristes do jornal. Apesar da luta que não finda e, por vezes, é ingrata. Apesar de eu te ver menos do que gostaria. Apesar das inúmeras tarefas que eu mesmo tenho comigo. Apesar do meu cansaço. Apesar das minhas fraquezas. Apesar das limitações do meu caráter, do meu corpo e do meu espírito. Apesar do Botafogo, que não tem jeito. Apesar de eu ser um homem muito distante daquele que eu gostaria de ser. Apesar do dia nublado. Apesar das vagas cada vez mais escassas de estacionamento no centro da cidade. Apesar dos textos que estou devendo. Apesar dos fascistas de direita que oprimem os trabalhadores. Apesar da fila na porta da barbearia. Apesar de eu não poder ter contigo a vida que eu gostaria e que você, talvez, mereça. Apesar da guerra civil na Tailândia. Apesar de eu falar de sempre e você falar de às vezes. Apesar do porta-luvas estragado. Apesar da conta no banco. Apesar da gripe suína. Apesar das flores do meu ipê que, por descuido, eu só vi depois de caídas. Apesar de eu ter devolvido aquele livro sem ter lido com a calma que queria. Apesar dessas olheiras. Apesar do passeio que estamos nos devendo. Apesar de ontem, quando eu devia ter te beijado mais. Apesar da música sertaneja. Apesar do cheiro da dobradinha no fogão. Apesar do meu horóscopo, que insiste em dizer que o dia será tenso, pesado e delicado.
Hoje é quarta-feira, seis de maio. Apesar de tudo isso, eu vou ter o melhor dia da minha vida.

Anúncios